terça-feira, 17 de junho de 2008

Hulk Esmaga!

Acabei de assistir ao filme do Hulk, e posso dizer com todas as palavras: O Filme Esmaga! :-)

Primeiramente, eu fui um dos poucos a gostar do filme do Ang Lee (2003), pois ele mostrava um lado mais humano e sentimental do personagem, mas era uma versão muito diferente que a audiência estava acostumada, o que o levou ao fracasso nos cinemas (mas como teve boa venda em DVD, obteve-se o sinal verde (gostou do trocadilho :-)) para mais um).

Essa nova versão ignora a existência do filme anterior e usa a antiga série de TV (1977) como ponto de partida (confesso que em algumas cenas lembrei dos tempos de criança quando assistia com os meus pais o Hulk na TV (acho que eles também curtiam a série)).

O filme inicia na Favela da Rocinha no Rio de Janeiro (creio que a maioria dos que estavam no cinema estavam procurando a equipe do Capitão Nascimento dar as caras), e o interessante é que neste momento ele chega a aparecer uma produção nacional. É raríssimo ver um filme americano retratando o Brasil de maneira realista (esses dias assisti a Stigmata, e as cenas do Brasil foram filmadas no México com atores mexicanos, imagina o resultado).

O filme possui uma velocidade de cenas e câmeras comparáveis ao Ultimato Bourne. Prepare-se para parar de respirar em diversas cenas deste filme, a quantidade de destruição e disparos de armas pesadas são de fazer inveja no Rambo.

Quanto ao par romântico do personagem, ficou devendo. A Liv Tyler esta sempre perdida na cena, parecia que estava fazendo o papel da donzela em perigo. Por que será que todo filme de herói tem que ter uma donzela em perigo, o herói já não esta enrolado suficiente com o vilão, ainda tem que ficar salvando a mocinha. Outra cena que me deixou ligeiramente indignado foi a facilidade como ela largou o atual namorado ao ver Bruce aparecendo nos fundo de uma lanchonete. E o cara nem reclama que é deixado de lado.

Quanto ao vilão, a escolha foi acertada, o Abominação é um "monstro" a altura do Hulk, o que foi a principal falha do filme do Ang Lee, onde o vilão era o próprio pai dele e os traumas de infância.

Mas fechando: (andam reclamando que meus posts são muito compridos :-))

Se você leitor ainda não foi assistir, o que esta fazendo aqui lendo à este blog, vá ao cinema, compre muita pipoca e prepare-se para uma verdadeira montanha russa.

Nota: 8,5 (faltou um personagem feminino forte)

Um comentário:

Lobo da Estepe disse...

Meu deus, o que é um cara de coração escrevendo. A personagem feminina é fraca, faltou uma personagem feminina forte.
Muito bom o post, fiquei com vontade de ver e vou assim que possível.