quarta-feira, 20 de agosto de 2008

A Raposa cativada

Olá a todos,

Vocês já leram alguma vez o livro O Pequeno Príncipe? Sei lá, estava pensando nele a pouco. A passagem que sempre me vem a mente é a da raposa cativada. Ela questiona o príncipe se ele vai cativá-la, ele a princípio não compreende muito bem a pergunta e a raposa afirma que ele a cativou, e por isso agora passa a ser responsável por ela, e no momento em que ele for embora, ela irá chorar.

Vocês já pararam pra pensar ou até para lembrar daqueles que vocês cativaram até então? As pessoas que passaram por nossas vidas e levaram consigo um pouco de nós e que talvez até ignoremos o quanto a cativamos e quanto elas nos cativaram?

Será que essas pessoas que já fizeram parte da nossa vida, seja ela afetiva, profissional ou até mesmo numa simples passagem, ou uma conversa de poucos minutos ainda estão cativas? Será que choram por nós? Onde será que andam aqueles que foram nossos coleguinhas de infância? Sim, aqueles do jardim. E na adolescência? Mesmo agora, quase todos os dias cruzamos com novas pessoas e as vezes escolhemos uma ou outra para cativar, inclusive indiretamente. Como assim? Tem pessoas que nos conhecem e gostam da gente (estão cativadas) e falam bem de nós a terceiros, e acabamos assim cativando até aqueles que nunca tivemos contato direto. Coisas a pensar.

Por que mesmo não querendo nos envolver na vida de outrem, acabamos por modificá-las; sim, nós modificamos a vida daqueles ao nosso redor a todo momento. Lembro de uma frase de André Luiz no livro Nosso Lar que diz: "Nossos pensamentos geram nossos atos e nossos atos geram pensamentos nos outros."

Perguntem-se: Que ato hoje fiz que gerou pensamentos nos outros? Será que cativei mais alguém? Fui cativado por alguém?

Afinal somos todos cada um, mas no fim somos todos um.

Até+
Espero ter cativado vocês um pouco mais, da maneira como vocês tem cativado a mim acompanhando aos "Meus Pensamentos".

p.s.: Acabei por entregar o significado do título do meu blog. ;-)

2 comentários:

Sheila disse...

Esse tema por certo rende vasta divagação. Eu acredito, por experiência própria, que algumas pessoas nos cativam para sempre. E, mesmo sem ter consciência, continuam influenciando indiretamente nossa vida. Mesmo na ausência, continuam presentes.
Um texto que amo de paixão, do Roy Croft, traduz esse sentimento com perfeição: "Amo-te, não só pelo que és, mas também por aquilo que eu sou quando estou contigo.
Amo-te, não só pelo que fizeste de ti, mas também por aquilo que tens feito por mim. Amo-te, porque fizeste mais para me tornares bom do que qualquer credo, porque fizeste mais para me tornares feliz do que qualquer destino. E fizeste tudo isso sem me tocares, sem uma palavra, sem um sinal. Fizeste tudo isso só por seres tu próprio. Afinal, talvez seja isso o que significa ser amigo."

Anônimo disse...

Oi Lindinho...
Saibas que cada dia mais me Cativas....e como disseste és responsável por isso.. ;)
Obrigada pelas palavras ontem..
Te adoro!!
Beijos
Camila